4 de nov de 2013

Top 12 - Com balé é mais legal (parte 2)

Realmente não estava brincando quando disse que são muitos clipes com a tal pitada de dança e, como o prometido, aqui está mais um Top 12 com mais dessas belezuras. Confesso que os que eu mais gosto eu  já postei de antemão, fiz isso totalmente "sem pensar", não que eu não goste dos que estarei postando hoje, pelo contrário! rs E aqui estão:

1. Bonnie Tyler - Total eclipse of the heart - desde pequena eu adorava assistir esse videoclipe, tentava fazer as piruetas e tudo mais! Além da música ser um clássico.




2. Mandy Moore - I wanna be with you - as cenas de balé deixam o clipe bem melhor do que seria se não tivesse. Particularmente, acho uma gracinha!




3. Pixie Lott - Broken arrow - diria a mesma coisa que disse no vídeo anterior, em outras palavras: a dança salvou. Um contemporâneo sempre faz bem...




4. Keaton Henson - To you health - Amo esse clipe, ele é cheio de emoção, tem uma bonita coreografia com um puro balé - além da música ser ótima.





5. Kings of Convenience - I'd rather dance with you - Em uma palavra? FOFO! 





6. Hurts - Better than love - Bom, para ser sincera: eu acho chatinho, tanto pela música como por haver pouquíssimo de balé, mas esse foi um dos primeiros que eu lembrei e acabou que ficando no meio da lista. Enfim, tirem suas próprias conclusões:




7. Shakira - Did it again - Aí está mais uma dança caliente! Conhecia a música há um tempo, mas só assisti o clipe ano passado. E ameeei.




8. Vanessa Carlton - Hears the bells - Eu achei esse clipe uma gracinha! Nele, há algumas filmagens caseiras e algumas dessas filmagens são apresentações de balé...




9. Vanessa Carlton - White Houses - Mais um clipe com balé da cantora.




10. Berlinda - See a little light - Bom, o clipe é legal, apesar de eu não gostar da música... 





11. Shinedown - Second chance - Não conhecia até pouco tempo, minha irmã - que já sabe que gosto de clipes assim - que me apresentou. Eu acho legalzinho e a dança ajudou a deixar o videoclipe melhor.



12. Paramore - Still into you - Eu acho fofo.




Espero que tenham apreciado. Gosto da maioria deles e imagino que irão gostar também. 

Au revoir! 


25 de out de 2013

The Red Shoes (And the red lipstick)

Devido a minha velha mania de prezar pelos meus gostos de infância, quando eu li Sapatilhas Cor-de-rosa - Na Ponta dos Pés um pouco tarde demais para considerá-lo um livro bom, ainda assim, fiquei pensando que eu adoraria tê-lo conhecido no auge dos meus dez anos.
De qualquer forma, acatei as boas dicas bailarinísticas do livro e li o conto de Andersen que inspirou o balé de mesmo nome: Os Sapatinhos Vermelhos. De fato, a história não supera O Patinho Feio, mas a impressão que fica, ao final, é a de que daria mesmo um bom balé.
Então, nas minhas andanças pela internet, descobri que havia um filme... "The Red Shoes". Corri a assisti-lo e me decepcionei com o roteiro, especialmente pelo final "psicodélico". Minha opinião. Depois de longas duas horas, o filme acabou me deixando com aquela coisa "as cenas de dança salvaram" porque, de fato, delas não se pode reclamar. Inclusive um dos grandes destaques do filme, eu diria o clímax, se dá na interpretação do balé, com loooongas (oba!) cenas que fazem suspirar qualquer quase-bailarino.
No fim das contas, olhando o filme como o todo, acho que vale a pena assisti-lo.
Há também uma outra coisa que chamou, particularmente, minha atenção: é uma bela oportunidade de conferir "altos makes" de espetáculo. Segue os closes que consegui printar.

Coppelia

Giselle

Les Sylphide

O Lago dos Cisnes

Os Sapatinhos Vermelhos
Confesso que não entendo muito de maquiagem de balés de repertório, já que, na academia em que faço aulas, não dançamos balés de repertório. Porém, eles sempre me servem de inspiração para minhas maquiagens de palco (IX Mostra de Dança Vivarte, me aguarde!).
Na década de 40, era moda sobrancelha fininha? Bem, devo dizer que, fora isso (porque eu gamo nas sobrancelhas marcadas), achei um arraso!
Além do mais, não sei se vocês notaram,  o bocão vermelho está em todas. <3

18 de out de 2013

TOP 12 - Com balé é mais legal

 Qualquer coisa com pitada de dança acaba ganhando minha admiração, mas claro, desde que faça jus a ela. E aposto que não é diferente com vocês. Assim, uma coreografia bem caprichada no meio de um clipe é o suficiente para me ganhar, mas... quando se trata de balé clássico, contemporâneo e jazz fico fascinada e muitas vezes eufórica. Então, resolvi compartilhar aqui esses clipes, um Top 12 talvez, pois durante as pesquisas descobri que, para minha surpresa, felizmente, são muitos. 
Aqui vão alguns desses clipes. Prontos?!

  1. Beirut - Elephant Gun; um contemporâneo bem , bem legal, além da música que é muito boa...      
               



     2.  Jennifer Lopez - I'm glad;  nesse videoclipe, J Lo faz uma 'releitura'  de cenas do filme Flashdance, devido a problemas de leitura ou algo parecido não foi possível postar o vídeo diretamente aqui, então, para assistir o vídeo clique aqui.


     3. Pink - Try; a cantora dança um contemporâneo bem 'caliente' durante o videoclipe, eu gostei bastante...



   4. Paul Young -  Every time you go away; "hit de todos os bailinhos de garagem de 1985, esse clipe mistura cenas retrô com sequestro, ballet e uma cena final de libertação numa coreografia de dança moderna.":


    5.  Hole - Violet; essa banda tem vários videoclipes que contém dança, mas esse em especial tem balé e pole dance e eu amo os dois (hehe):




   6. Kanye West - Runaway; além da música ser bacana, tem balé e, como eu disse, já basta (hehehe)...



  7. Lee Ann Womack – I hope you dance; não acho lá essas coisas, mas o balé ajudou a ficar bom... 




   8. Herbert Grönemeyer – Demo; esse em especial tem uma participação de Polina Semionova em total entrega, e é incrível como qualquer solo que ela fez ou venha fazer, meu preferido com certeza!



   9. Sting; esse também é incrível, tem uma participação de Alessandra Ferri e parte da direção também foi dela, ou seja, um arraso!



   10. Adele - Set fire to the rain; apesar de que o videoclipe ter sido gravado com a cover de Adele, a dancinha é bem legal...



  11. Kate Bush - Love and Angel; essa cantora tem vários clipes em que há dança, mas escolhi esse porque é um clássico e acho que precisa ser visto =) :


Outros dos clipes dela que eu gosto: Red ShoesBabooshkaSuspended in GaffaRunning up That Hill e Wuthering Heights. :)


12. Pulp  - The trees; nesse, particularmente, gosto muito da coregrafia, acho bem bacana...




Bom, por hoje é só! Próxima semana estarei postando mais videoclipes - já que a lista é grande. :)

9 de out de 2013

Nó - Cia. de Dança Deborah Colker

Oi, oi! Como bem diz o ditado "quem é vivo, sempre aparece". E aqui estou novamente para que continuemos nosso papo bailarinístico.
Eis que no dia 02/07, a convite de nossa professora de balé, fomos ao Teatro Tobias Barreto em Aracaju, capital sergipana, assistir ao espetáculo "Nó" da Cia. de Dança Deborah Colker. Confesso que, apesar de o nome não me soar estranho, não conhecia o trabalho de Deborah até então, o que, de certa forma, me fez atentar para o fato de que eu deveria ser mais curiosa quanto ao trabalho dos brasileiros na dança, os nomes de referência, as companhias daqui etc, mas isso é assunto para outro post.
O fato é que esse espetáculo rendeu-nos uma noite maravilhosa e emocionante. "Nó" fez a sua estreia mundial no dia 5 de maio de 2005, na Alemanha, e deste então vem fascinando o público ao tratar de algo que faz parte do mistério de nossa natureza: o desejo. Afinal, que somos seres desejantes, isso não é novidade para ninguém. Mas, se pararmos para pensar, tudo o que realizamos é fruto de um desejo prévio, seja ele consciente ou não.
No primeiro ato, os bailarinos se movimentam em meio a um emaranhado de 120 cordas. Cordas que dão nós e que simbolizam os laços afetivos que nos amarram.
No segundo ato, saem as cordas e o palco é ocupado por uma caixa transparente de 3,1 x 2,5 (...) Neste aquário gigante, feito de alumínio e policarbonato, os bailarinos se enlaçam, se atraem e opõem, se atam e se desatam. É uma metáfora do desejo, daquilo que se ambiciona, mas não se pode realizar.
E, logo abaixo, um trecho do espetáculo:

Atualização:
A nova temporada está aí:

9 de abr de 2013

Shadowland

Devo começar esta postagem dizendo que a arte nunca deixará de surpreender-me e de fazer-me suspirar. E que o mundo tem, sim, muitas pessoas criativas, artistas de verdade! Essas pessoas estão espalhadas em todos os lugares, umas ganharam a sorte grande, entretanto, a maioria ainda está por aí, compartilhando os seus dons com quem quer que tenha sede de sensibilidade - mesmo não tendo seu merecido reconhecimento -. De qualquer forma, nada nunca impedirá que nós as reconheçamos.
Ainda ontem, enquanto estava num dos cubículos do banheiro da escola, ouvi uma voz doce, realmente encantadora, cantando lindamente: quando saí, dei de cara com a tia da limpeza. Tive vontade de dizer "que voz incrível a senhora tem!", em vez disso, fui embora. Mas alguma coisa permaneceu em mim... não demorou muito até que eu me desse conta de que aquela mulher cantava com o coração, e de como isto tinha feito a diferença.

Bom, achei que este vídeo veio a calhar... aliás, foi ele o motivo da primeira frase do post.


E eu não poderia deixar de dizer: ontem foi um dia muito feliz para muita gente, é que 08/04 é o aniversário de Megan! Mais uma vez: Parabéns, Meg!

8 de mar de 2013

Desenho em Movimento

Precisando de inspiração? Este é um vídeo que além de inspirador, emociona os que tem sensibilidade.
Vale a pena apertar o play.





Beijos e até mais :*

7 de mar de 2013

I Workshop de Dança Contemporânea em Estância


Na semana passada, ocorreu o I Workshop de Dança Contemporânea em Estância, uma iniciativa da Escola de Dança Vivarte e do bailarino e coreógrafo sergipano Everaldo Pereira. 
"Há 14 anos, Everaldo reside em Londres e é criador da Compainha de Dança Nu Tempo, que vem realizando belos e reconhecidos trabalhos na arte da dança. Com muitos dos seus familiares estancianos, tem o orgulho de voltar à terra e demonstrar, de perto, o seu talento (...) Seu programa é focado no movimento e na musicalidade. Com atenção particular às habilidades do desempenho, suas práticas dinâmicas fazem você viajar através do espaço e apreciar seu corpo usando uma gama de ritmo e estilos"

Ele disse, em seu perfil no Facebook:
Atravessar o Oceano Atlântico e voltar às minhas raízes, mais precisamente à Estância, para fazer um workshop, é, sem dúvidas, umas das coisas mais bacanas que poderia ter feito nessa minha temporada no Brasil.
O evento ocorreu entre  25 de fevereiro e 01 de março e contou com a participação do percussionista, também sergipano, Pedro Mendonça.

Talvez já tenha dado para notar o quanto esse Workshop foi uma experiência maravilhosa para todos nós que tivemos a oportunidade de integrá-lo, e, quanto às particularidades de cada um, o modo como nosso já querido professor realizou seu trabalho só pareceu evidenciá-las.
Praticamente, desde o momento em que ingressei no balé, também me vi envolvida na dança contemporânea. Mas é certo dizer que essa foi a primeira vez em que eu me permiti a espontaneidade indispensável neste tipo de dança, vejo agora que, por um motivo ou por outro, eu não me deixava "levar", a não ser quando os passos já me eram apresentados de antemão, não dava a liberdade pela qual meu corpo, silenciosamente, implorava, aqueles movimentos fluidos que nos dão o prazer de poder expressar livremente qualquer coisa. Eu me senti nativa nesta "viagem através do espaço" e, consequentemente, extremamente feliz. E minha professora que sempre nos diz "quem dança uma coisa, dança qualquer coisa"...

A finalização do evento se deu com uma aula em local público; familiares, amigos, admiradores da dança e demais curiosos puderam, então, apreciar uma parte dos trabalhos que foram realizados durante a semana, numa extraordinária noite cultural.
Participantes do I Workshop de Dança Contemporânea em Estância

Fotografias do balé das décadas de 30 e 50

Já contei a vocês que além da minha paixão pelo balé, tenho uma grande admiração pela fotografia? Pois é, essa arte de desenhar através do uso da luz, me fascina. E  ao tentar, mais uma vez, unir o útil ao agradável, durante uma pesquisa, achei fotografias raras, que foram disponibilizadas pela Biblioteca Estadual de Nova Gales do Sul (Austrália), de performances dos bailarinos famosos entre as décadas de 30 e 50. 
E essas são algumas das belezuras desse registro fantástico:









 E o balé desde sempre fascinante, não é mesmo? 




6 de mar de 2013

É hoje, gente!

Hoje o As (quase) bailarinas está completando o primeiro ano \o/, e há um ano atrás (após tanta insistência acabei dando o braço a torcer) nos convencemos que seria uma boa ideia criá-lo. Pretendíamos usar esse espaço "para falar do balé da forma como o vemos e tudo o que entendemos, mesmo não sendo muito", e esse tempo no blog e na dança nos ajudou a entender melhor o que, de certa forma, já sabíamos: que apesar de não ter verdadeiro dom para a dança, o amor por ela ligado a persistência e dedicação são o suficiente para nos fazer alcançar conquistas.
Catherine Megan

Sim, hoje é um dia muito especial para nós! É certo que esse ano último ano foi, de fato, um alvoroço e não pudemos nos dedicar ao blog da maneira que gostaríamos e esperávamos. Mas o mais importante permaneceu: nossa dedicação à dança. Foram muitos dias exaustivos, de correr do instituto para a escola de balé, da escola de balé para outros locais. Não foi nada fácil ser pontual. Entretanto, por mais que as 24 horas do dia não tenham sido o bastante, aquelas 4 horinhas da semana reservadas ao que faz nossos olhos brilharem e nosso corpo aprender a falar fez com que nos tornássemos mais o que queremos ser e tudo isso, como sempre, valeu a pena.
Sara Morais
E, para comemorar, Polina Semionova numa emocionante entrega de si:
* Obrigada, John, por ter compartilhado este vídeo conosco!