8 de mar de 2013

Desenho em Movimento

Precisando de inspiração? Este é um vídeo que além de inspirador, emociona os que tem sensibilidade.
Vale a pena apertar o play.





Beijos e até mais :*

7 de mar de 2013

I Workshop de Dança Contemporânea em Estância


Na semana passada, ocorreu o I Workshop de Dança Contemporânea em Estância, uma iniciativa da Escola de Dança Vivarte e do bailarino e coreógrafo sergipano Everaldo Pereira. 
"Há 14 anos, Everaldo reside em Londres e é criador da Compainha de Dança Nu Tempo, que vem realizando belos e reconhecidos trabalhos na arte da dança. Com muitos dos seus familiares estancianos, tem o orgulho de voltar à terra e demonstrar, de perto, o seu talento (...) Seu programa é focado no movimento e na musicalidade. Com atenção particular às habilidades do desempenho, suas práticas dinâmicas fazem você viajar através do espaço e apreciar seu corpo usando uma gama de ritmo e estilos"

Ele disse, em seu perfil no Facebook:
Atravessar o Oceano Atlântico e voltar às minhas raízes, mais precisamente à Estância, para fazer um workshop, é, sem dúvidas, umas das coisas mais bacanas que poderia ter feito nessa minha temporada no Brasil.
O evento ocorreu entre  25 de fevereiro e 01 de março e contou com a participação do percussionista, também sergipano, Pedro Mendonça.

Talvez já tenha dado para notar o quanto esse Workshop foi uma experiência maravilhosa para todos nós que tivemos a oportunidade de integrá-lo, e, quanto às particularidades de cada um, o modo como nosso já querido professor realizou seu trabalho só pareceu evidenciá-las.
Praticamente, desde o momento em que ingressei no balé, também me vi envolvida na dança contemporânea. Mas é certo dizer que essa foi a primeira vez em que eu me permiti a espontaneidade indispensável neste tipo de dança, vejo agora que, por um motivo ou por outro, eu não me deixava "levar", a não ser quando os passos já me eram apresentados de antemão, não dava a liberdade pela qual meu corpo, silenciosamente, implorava, aqueles movimentos fluidos que nos dão o prazer de poder expressar livremente qualquer coisa. Eu me senti nativa nesta "viagem através do espaço" e, consequentemente, extremamente feliz. E minha professora que sempre nos diz "quem dança uma coisa, dança qualquer coisa"...

A finalização do evento se deu com uma aula em local público; familiares, amigos, admiradores da dança e demais curiosos puderam, então, apreciar uma parte dos trabalhos que foram realizados durante a semana, numa extraordinária noite cultural.
Participantes do I Workshop de Dança Contemporânea em Estância

Fotografias do balé das décadas de 30 e 50

Já contei a vocês que além da minha paixão pelo balé, tenho uma grande admiração pela fotografia? Pois é, essa arte de desenhar através do uso da luz, me fascina. E  ao tentar, mais uma vez, unir o útil ao agradável, durante uma pesquisa, achei fotografias raras, que foram disponibilizadas pela Biblioteca Estadual de Nova Gales do Sul (Austrália), de performances dos bailarinos famosos entre as décadas de 30 e 50. 
E essas são algumas das belezuras desse registro fantástico:









 E o balé desde sempre fascinante, não é mesmo? 




6 de mar de 2013

É hoje, gente!

Hoje o As (quase) bailarinas está completando o primeiro ano \o/, e há um ano atrás (após tanta insistência acabei dando o braço a torcer) nos convencemos que seria uma boa ideia criá-lo. Pretendíamos usar esse espaço "para falar do balé da forma como o vemos e tudo o que entendemos, mesmo não sendo muito", e esse tempo no blog e na dança nos ajudou a entender melhor o que, de certa forma, já sabíamos: que apesar de não ter verdadeiro dom para a dança, o amor por ela ligado a persistência e dedicação são o suficiente para nos fazer alcançar conquistas.
Catherine Megan

Sim, hoje é um dia muito especial para nós! É certo que esse ano último ano foi, de fato, um alvoroço e não pudemos nos dedicar ao blog da maneira que gostaríamos e esperávamos. Mas o mais importante permaneceu: nossa dedicação à dança. Foram muitos dias exaustivos, de correr do instituto para a escola de balé, da escola de balé para outros locais. Não foi nada fácil ser pontual. Entretanto, por mais que as 24 horas do dia não tenham sido o bastante, aquelas 4 horinhas da semana reservadas ao que faz nossos olhos brilharem e nosso corpo aprender a falar fez com que nos tornássemos mais o que queremos ser e tudo isso, como sempre, valeu a pena.
Sara Morais
E, para comemorar, Polina Semionova numa emocionante entrega de si:
* Obrigada, John, por ter compartilhado este vídeo conosco!