6 de abr de 2012

Corredor de sonhos

We Heart It

Talvez a mesma regra não se aplique a todas os estudantes envolvidos na dança mas nós vivemos dançando na escola. Na verdade, é mais do que isso: Não conseguimos não dançar. Basta encontrar um corredor vazio para pensar em grand jetés, basta uma brecha, uma oportunidade, e lá estamos nós piruetando. Isso só passa a ser de fato um problema quando se muda de escola: Antes todos estavam familiarizados conosco, dançávamos sem restrições, tanto no pátio como na sala de aula (no intervalo entre as aulas de um professor e outro, mas claro); agora temos que nos contentar com o fundo da sala, passos rápidos, mais discretos, nada de coisas espalhafatosas nem poses bailarinísticas - a não ser no banheiro feminino. E ainda assim nos olham com cara de "que diabos vocês estão fazendo?". Pelo menos nos acham estranhas juntas. Mas sabe o que pensamos a respeito disto? Nós estamos fazendo o que é preciso. Esperando. Pois ainda há de haver o momento em que poderemos dançar em qualquer lugar e responder aos questionadores - se eles existirem - "é o que fazemos".
 A questão é que essa espera não precisa ser tão chata como todas as outras, aliás, se o pessoal na fila do banco costuma se distrair usando fones de ouvido para escutar sua playlist, nós, na fila da vida, temos o mesmo direito de ir dançando dia após dia até que chegue a nossa vez. Enquanto os fones estiverem lá e não incomodarmos pessoas com outros gostos musicais, está tudo certo.

"- Vamos piruetando por esse corredor?"
"- Oxente! Na hora!"
"- Rápido, antes que alguém apareça!"

 Escrito por Sara e Megan

2 comentários:

  1. É assim mesmo! Em cada corredor eu vejo uma oportunidade... em cada intervalo, uma vontade incontrolável de dançar!

    ResponderExcluir
  2. Aii que bom!
    Não me sinto a única a pensar assim.

    O pior é que sou a única daquele colégio que sai por aí se expressando e dançando em qualquer lugar como se fosse a coisa mais normal do mundo, até por que É!

    Não importa o que façamos, as pessoas sempre criticarão, acharão "anormal". Em meu ver essa atitude alheia é PRECONCEITUOSA E BANAL, pois o que deveria ser considerado "anormal" é o fato do individuo deixar presa suas emoções e sentimentos, colocar suas expressões em uma caixa e esquecer delas para sempre.

    é ridículo a forma como as pessoas não ampliam os horizontes e continuam com a mesma visão limitada junto com a ignorância em relação a tudo e principalmente em relação a arte.

    Achei lindo esse post!
    Muito lindo! Inspirador. Pois é verdade,assim como nas filas do banco, as filas da vida, dos sonhos são semelhantes. Cabe a cada um de nós esperar e também correr atrás enquanto pode, pois não dá pra ficar vendo o tempo passar enquanto que os braços continuam cruzados né?

    Haha

    P.S.: É a primeira vez que vejo esse blog, mas confesso que de cara amei! Parabéns Sara, os posts estão ótimos :)

    ResponderExcluir